O maldito apagão aéreo…

Nos últimos dias, toda vez que ligo a TV o assunto é o mesmo: a crise nos aeroportos.
O empenho das emissoras (Globo, SBT, Record e outras) em fazer a cobertura completa é, no mínimo, estranho. Qual seria o real interesse da imprensa?
Não posso responder a esta pergunta, mas posso dizer que não estou nem um pouco interessado neste assunto. Afinal, não sou afetado por este “apagão aéreo” por um motivo simples: Eu, como a maioria esmagadora dos brasileiros, não utilizo este meio de transporte.
Me atrevo a afirmar que muitos brasileiros morreram e outros tantos morrerão sem ter sequer entrado num avião.
Estou farto de receber informações que não pedi. A imprensa poderia se preocupar com outras coisas que afetam muito mais pessoas no dia a dia.
Quer um exemplo neste mesmo tema?
Moro em São Paulo e outro dia precisei ir para casa de ônibus. Esperei mais de 40 minutos para entrar num veículo velho, sujo e barulhento. Paguei R$ 2,30 para ser transportado nessa obra prima da engenharia mecânica, conduzida por um gentil motorista, durante 45 minutos por ruas esburacadas, instalado confortavelmente em pé, uma vez que todos os assentos estavam ocupados.
Estava tão irritado com tudo isso que nem percebi se algum repórter tentou me entrevistar…
Um mero detalhe é que moro a apenas 10Km de distância do trabalho e faço o trajeto de carro, num dia de muito trânsito, em meia hora.
Agora, imagine que milhares de pessoas (ou seriam milhões?) utilizam este fabuloso meio de transporte para percursos muito maiores, duas vezes por dia. O sujeito sai de casa às 4hs para chegar no trabalho às 8hs. Sai do trabalho às 17hs e chega em casa às 21hs.
Certamente é esse pobre coitado que está interessado no “apagão aéreo”…
Me corrijam se eu estiver dizendo besteira, mas nunca vi empenho da imprensa em divulgar este absurdo que ocorre diariamente.
Talvez o povo já esteja acostumado a ser maltratado e nem se importe mais com isso.
Talvez, estes pobres cidadãos estejam se divertindo ao ver que, pelo menos dessa vez, a corda arrebentou do outro lado…
Opa! Acho que acabei de descobrir o interesse da imprensa: Mostrar ao pobre que ele perdeu até a exclusividade de ser maltratado…

Comenta aí